Sertão

Sertão

Eu não resisto a certas coisas que o Leo faz…portanto, divirtam-se.

Prosas e Café

Você não nasceu pra ser minha assim como não nasci pra ser seu, todavia carregamos uma característica comum: o vazio da alma. Uma sede inconstante que nenhuma alegria sacia, um inconsciente desidratado que se arrasta dia e noite pelo deserto. Sem satisfação, sem remédio, sem descanso. Preenchemos nossos vazios habitando as areias um do outro ocasionalmente. Um fim de semana ali, um feriado acolá. Você é o meu oásis das noites mais difíceis e também uma miragem que se desmonta ao longe, logo que vou embora, carregada pelas tempestades cotidianas.

Carrego esse vazio desde garoto, essa alma infrutífera, essa falta de sabe-se lá Deus do quê. Na época sonhava com um tempo de reflorestamento, que no futuro alguém chegaria para semear e trazer a flora necessária. Vidas, alegrias, músicas, cheiros, minúcias… saciação constante. Esse tempo nunca chegou e de tanto procurar, acabei desistindo dele. Até que certa feita, numa tarde…

Ver o post original 388 mais palavras

Anúncios

Sete Letras Que Me ‘Mata’ É Saudade

Leonardo Veiga, do Prosas e Café, um escritor maravilhoso, me deu a ideia para os dois primeiros versos.
O título é um verso cantado em “Saudade”, canção do Trio Nordestino, de 1967.

Por favor, não me dê mais saudade
Porque meu peito é cheio d’ocê
Sua falta é calor que me arde;
Venha aqui pra eu arrefecer.

É mentira; aí que eu inflamo!
De febril eu passo a ensopado;
Se só quero, vou dizer que amo;
Se silvestre, serei cativado.

Ê saudade que o homem delira,
Diz besteira, conversa com o vento,
Esperando pra dar uma gira
Com quem ele mais quer no momento.

Ah que falta de amar mais ainda!
E de você, que tudo povoa:
Pensamento, que nunca se finda;
Ideal, pro meu ser, de pessoa.

https://pixabay.com/en/goosebumps-cold-arm-885563/

Tira-teima

Tira-teima

Um conto em duas partes…maravilhoso; vale cada linha.

Prosas e Café

O despertador de emergência tocou de novo, eu não aguentei e joguei o celular na parede, depois me levantei, fiz um pouco de café e fui até a sala assistir TV. Assim que liguei o primeiro canal era o do gado, agachei-me procurei o controle em todos os cantos, encontrei-o atrás do vaso de plantas. Comecei a trocar os canais… Era uma manhã de terça, não havia nada de muito bom. Uma velha ensinando a cozinhar carneiro, o jornal matinal, esportes olímpicos, um indiano ensinando yoga e o penúltimo canal era evangélico. Toquei no botão de avanço por mais uma vez, “Só restou você”, disse a mim mesmo. Menos mal, estava dando desenho, aumentei o volume e deixei rolar. Retornei ao quarto, abri o guarda-roupas, revirei minhas gavetas e peguei uma pomada cansada de ser exprimida. Sentei no sofá, coloquei o café sobre a mesinha da sala e…

Ver o post original 2.620 mais palavras

Check-In

Toda vez que você aparece, seja num oi ou numa foto, o meu tempo para. E, durante este hiato, eu lembro que não é bom se apaixonar. Afinal, saímos da nossa zona, não de conforto mas de sensatez. Fundamentamos nossas decisões sobre belos e saltitantes olhos negros que nos convidam a um vício como se nosso cérebro tivesse receptores nervosos exclusivamente dedicados a tais prazeres.

Não importa qual o seu e o meu momento atual; eu simplesmente perco noções do presente e da normalidade, e me sinto compelido a tomar o primeiro avião pra sua cidade. E quem disse que, quando eu tomei um avião pra sua cidade com outros motivos, eu não dei um jeito de lhe ver, como se aquele fosse o objetivo principal?

Mas eu não posso me apaixonar. Eu não posso desviar da minha estrada só porque seu sorriso é um “vem cá” sem tamanho, só porque nossas rarefeitas conversas me prendem feito biografias de artistas que floresceram e sobreviveram em meio à ditadura de 64, só porque tenho esperança de isso virar algo que me complete.

Eu me basto? Se você me quiser, serei suficiente para mim e algo mais pra você? Por que lhe envolvo nas minhas perguntas se só eu tenho as respostas? É por isso que não posso me apaixonar por você. Senão você invade as questões que preciso responder antes de lhe amar (se amarei), com ou sem paixão.

Enquanto isso, meu canto de boca revela o sorriso ao ver que o seu surge de surpresa em redes sociais quaisquer.

https://pixabay.com/en/suitcase-travel-bag-luggage-841200/

Introspectivo

Grilos cantam enquanto lembro
Que você me estranhava
Do silêncio virei membro
Pois calar-me não bastava.

Eu construí um casulo
Mas posso sair lagarta;
Quanto mais me encabulo
Mais eu jogo essa carta.

Muito pouco faz sentido;
Você não entenderia
Mas, há muito, fui vencido
Feito fraca alvenaria.

Assim restou o retiro
Para rever minhas rotas
Em torno de mim eu giro
Cantando as mesmas notas.

Não se preocupe agora
Não quero ser mais um grilo
Que nessa cabeça mora
E demora tão tranquilo.

Hei de achar o que procuro
Quando houver o que buscar;
Eu sou assim, obscuro;
Qualquer coisa, chegue cá.

Cantada às avessas

Cantada às avessas

Você quer um poema, e não o poeta;
Você quer inspirar sem conviver;
Não vê que o troféu não faz o atleta;
O atleta é quem faz por merecer.

Você trata o poeta feito fruta
Descasca, morde, joga o resto ao chão;
Não vê que a poesia bem lhe escuta
E eternizará sua condição.

Entenda que arte não é produto
E artista não é máquina de texto
Se você quer ser tema, dê tributo,
Dê mais valor e arrume outro pretexto.

Se quer saber, eu não preciso disso;
Eu não preciso nem ser o que sou;
Eu sou um artista sem compromisso;
Você é um vento que já passou.

https://pixabay.com/en/group-friends-people-writing-pen-2606809/

Palavras de Paraninfo 2017.1

O professor Cláudio Amorim foi meu orientador em trabalho de conclusão de curso, mas também o é na vida, com palavras tão sábias e indubitáveis. Leiam esta lição de vida e renovem seus corações.

Cláudio Amorim

Nota preliminar:
O presente discurso, ligeiramente adaptado, foi proferido na formatura da turma de Sistemas de Informação 2017.1 da UNEB – Campus I, em 28 de julho de 2017, da qual tenho a honra de ser paraninfo. Deixo de fora, por desnecessárias, as saudações protocoladres. Por outro lado, reitero os agradecimentos aos Afilhados que, generosamente, obrigaram-me a escrever o texto e estimularam-me a publicá-lo.

_______________

Queridos novos bacharéis, doravante meus Afilhados,
Ikaro, Iris, Jailton, Lorena e Rylan,

Obrigado por estarem aqui e por me permitirem celebrar com vocês, dirigindo-lhes a palavra nesse dia cerimonial.

Senhoras e Senhores,
Estimados Jovens,

Saudações fraternais; saudações cidadãs; saudações acadêmicas: a minha saudação, hoje, é também um apelo à resistência.

Saudações fraternais, eu disse. Mas a fraternidade anda escondida, quando não esquecida. Permanece viva, ainda assim, nas pessoas que saem de si para irem ao encontro das demais, socorrendo, amparando e instruindo. Porque há quem…

Ver o post original 1.357 mais palavras